21 de Dezembro de 2014
Jornal Extra de Alagoas

Notícias

atualizado 18 de Setembro de 2012 - 19:20

Esperança é a última...

População de Coruripe otimista para receber o estaleiro Eisa

Maioria dos entrevistados aprovam investimento no município

Foto: Da Redação

Secretário José Edson confiante na liberação do estaleiro Eisa

Secretário José Edson confiante na liberação do estaleiro Eisa

Se dependesse da vontade da maioria da população de Coruripe, litoral Sul de Alagoas, o estaleiro Eisa já tinha se instalado no local. A reportagem do jornal Extra foi ao município e ouviu a opinião de autoridades e da população nas ruas sobre o “novo investimento”. Dos entrevistados, a maioria aprova a empresa naval e muitos buscam se qualificar para garantir um emprego. Outro ponto positivo é que pequenas e médias empresas vão se instalar no entorno do estaleiro, incrementando a economia do litoral Sul.O taxista Paulo César disse ser totalmente a favor do emprendimento e se for pesar os prós e contra, trará mais benefícios que prejuízo. "A esperança do povo local é o emprego.

Há quem diga que vai atrair drogas, prostituição, mas isso já tem. Só falta chegar o progresso e nossa esperança é que ele venha com o estaleiro", comparou o taxista.O universitário Dirceu Gonzaga disse ser contrário ao investimento porque o impacto ambiental não será revertido. "Com o propenso retorno socioeconômico que possa ocorrer,  por que nada garante  que a maioria da mão-de-obra deste mesmo venha de outros estados, a gente fica com os problemas que eles causam e com os piores empregos", sentenciou ao acrescentar que "entre ou-tros pontos, o litoral alagoano tem forte vocação para o turismo e poderia sim ser investido nesse trazendo desenvolvimento com responsabilidade ambiental."O aposentado Oséas Vitorino dos Santos foi categórico ao afirmar que por ele o estaleiro já tinha se instalado. "Vai dar trabalho pra muita gente.

Se não serve mais para eu traba-lhar, meus filhos, netos e toda sociedade desempregada pode ser beneficiada. Por mim ele já tinha sido feito há muito tempo", se anima o aposentado.Meio arredio, o marceneiro José Carlos Medeiros disse que por ele tanto faz, mas que se vir vai beneficiar muita gente. "O risco é que os empregos me-lhores fiquem com o pessoal de fora. Acredito que com a chegada da empresa vai dar mais movimento ao lugar", afirmou Medeiros.OTIMISMO- Com população de 54 mil habitantes, Coruripe concentra grande parte de sua população na zona rural.

Para o Secretário de Meio Ambiente, Indústria, Comércio e Desenvolvimento do município, José Edson dos Santos, o Edinho, embora muitas coisas ainda estejam embrionárias, a vinda da empresa para Coruripe vai incrementar a economia local e dar uma nova cara a Alagoas. Ele se diz otimista com a instalação do estaleiro Eisa, mas que todos estão atentos para as exigências dos órgãos ambientais. Segundo ele, todo desenvolvimento traz processo de mudanças e por isso estão alertas para que haja responsabilidade e que fique claro quais fatores  vão mexer com a comunidade.

 Edinho explica que a preocupação com o meio ambiente vem de longas datas. Em 2001 foi feito um projeto piloto de recuperação do manguezal por entender que diversas pessoas dependiam daquela vegetação. E é questionado porque retirar. Para o secretário, antes o mangue era mais extenso e agora abaixo da ponte do Rio Coruripe é vegetação de pasto e os empresários querem recuperar uma área ainda maior que a que será devastada.

 "Temos conversado com a comunidade. Não podemos só suprimir o mangue e não dar alternativa para natureza e a comunidade", alerta.O secretário disse: “cerca de 90 hectares de mangue serão sacrificados, mas será plantado o triplo, já que mangue se recompõe e cresce rápido.” Edinho esteve no Eisa do Rio de Janeiro, foi a Brasília e em todos os lugares é consenso em dizer que o estaleiro vai ser o início de uma nova Alagoas por incrementar a economia local e ser um atrativo para o desenvolvimento da Região. O Senai tem 25 cursos programados  neste ano para atender as necessidades do estaleiro.

A meta é trazer todo o sistema “S” (Senac, Sebrai, Sesi, Senai, Sesc) para o município. Outra providência tomada pelo gestor municipal foi reformar o código tri- butário para atrair empresas que se instalarem em torno do estaleiro. "Recebemos ligações de empresários de vários Estados do Brasil e nosso interesse é que venham para cá", disse Edinho ao acrescentar que o plano diretor do município também foi modificado e que a preocupação é com novas escolas, postos de saúde e que estão construindo novo mercado público. O mais novo investimento é a cons-trução de uma escola técnica do Senai que comporta 600 alunos. Um campus da Ufal também será instalado no município.

O  QUE É O EISA?Os responsáveis pelo investimento aguardam a li-beração por parte dos órgãos ambientais para dar início às obras do Eisa. Com a implantação do estaleiro, a estimativa é de que sejam gerados cerca de 10 mil empregos diretos e indiretos na região. Entre as atividades que serão realizadas pela empresa naval pode-se destacar a fabricação e reparos de máquinas, equipamentos, estruturas de aço, peças, partes e componentes de uso naval; fabricação de máquinas e equipamentos de uso industrial; exportação e importação de serviços de engenharia; projetos de montagens industriais; desmontagem de embarcação e armação. 


Maria Salésia sallesia@hotmail.com

Tags: Coruripe,estaleiro,Eisa

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário:












Comentário enviado com sucesso.

enviar outro comentário.

Comentários:

jackson disse em 06 de Fevereiro de 2014 - 21:09

Vão destruir..as praias